Espiritismo

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Males e Remédios

Inconformação diante dos sofrimentos?
Olhe em derredor e reconhecerá legiões de pessoas que sofrem muito mais sem as suas possibilidades de reconforto.
Desentendimento em família?
Oriente as crianças de casa e respeite os adultos, deixando a eles a faculdade de se decidirem, quanto as próprias realizações, qual acontece no mundo íntimo de cada um de nós.
Algum erro cometido?
Reconsidere a própria atitude e não se constranja em aceitar as suas deficiências, de modo a corrigí-las.
Erros alheios?
Observando-se quão difícil aprender sem errar, saibamos desculpar os desacertos dos outros, tanto quanto esperamos tolerância para os nossos.
Entes queridos em falha?
Deus que nos criou a todos saberá conduzí-los sem que tenhamos a obrigação de arrasar-nos ao vê-los adquirindo as experiências da vida, pelas quais também nós temos pago ou pagaremos o preço que nos compete.
Provação?
Uma visita ao hospital pode dar a você a ficha de suas vantagens em relação aos outros.
Problemas?
Não se sabe de criatura alguma que evolua ou se aperfeiçoe, sem eles, incluindo aquelas que se supõe tranqüilas por estarem fugindo provisoriamente de trabalhar.
Angústia?
Ao que se conhece, todo tratamento para supressão da ansiedade está baseado ou complementado pelo serviço em favor de alguma causa nobre ou em auxílio de alguém.
Censura?
Um minuto de auto-análise nos fará sentir que não estamos muito certos, quanto à nossa própria resistência, se acaso estivéssemos no lugar daqueles que jazem caídos em desapreço.
Desilusões e fracassos no relacionamento afetivo?
Experimente Jesus.

Francisco Cândido Xavier. Da obra: Respostas da Vida. Ditado pelo Espírito André Luiz.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dúvida‏

Quando a dúvida o assaltar, mantenha
firme seu coração, no desejo sincero de
perseverar até o fim.
Se a mágoa e a calúnia o feriram,
não fique a lamentar-se inutilmente:
gaste seu tempo em trabalhos
construtivos, auxiliando a todos os que
necessitam de seu apoio.
Não se deixe desfalecer pelas dores!
Ao contrário: eleve seu pensamento
confiante, pedindo o socorro do Alto.
Procure dar o mais que puder…
Uma boa palavra…
Um sorriso…
Um gesto de incentivo…
Um pensamento generoso…
E você há de sentir em seu coração a
grande verdade: é muito melhor dar que
receber! Ainda não percebeu isto?
Experimente, então!
Ajude alguém, desinteressadamente, e
observe como lhe virá bater à porta,
com as mãos cheias de alegria,
a maior felicidade que você possa
conhecer em sua vida:
A Felicidade de Dar!
Torres Pastorino
Postado por Dothy

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Um médico de apenas 6 anos de idade.‏

Quem vê esta foto logo pensa que se trata de uma apresentação teatral infantil ou coisa parecida. Mas não é bem isso.
No artigo de hoje veremos o caso desse menininho mexicano, de seis anos de idade, que faz palestras sobre osteoporose e outra diversidade de temas médicos.
Descrição: http://educarc.blogcindario.com/ficheros/images/maximilianoarellano.jpg
Em verdade tudo aconteceu de forma instrutiva e peculiar. O menino mexicano, Maximiliano Arellano, falou, por 45 minutos, para um público composto por médicos e profissionais de saúde da Universidade Autônoma do México.
O tema é incomum para a sua idade, pois discorreu sobre Osteoporose.
Descrição: http://www.spiegel.de/img/0%2c1020%2c618435%2c00.jpg
Descrição: http://bp2.blogger.com/_CkVsANG7xdw/RpNkYSaU-7I/AAAAAAAAAiI/VNwZXkauOwQ/s400/Clipboard0max.jpg
Como não tinha um púlpito para sua altura, foi improvisada uma cadeira para que ele atingisse o microfone.
Sua mãe, a Sra. Alejandra de Noé, conta que, desde os dois anos, seu filho demonstrou conhecimento da ciência médica, já tendo realizado palestra, até sobre Anatomia Cardiovascular.
Descrição: http://u.univision.com/contentroot/uol/art/images/noticias/lat/2006/04/pa_nino_prodigio_4.jpg
Sua mãe esclarece que ele tem seus passatempos como uma criança normal, como brincar com videogame, fazer natação, etc.
O Diretor da citada Faculdade de Medicina, Roberto Camacho, disse que Maximiliano fala de fisiopatologia com um linguajar de um residente. Por isto está em estudo uma forma de poder introduzi-lo naquela instituição.
Descrição: http://verdadeabsoluta.net/wp-content/uploads/2006/05/max.jpg
.
.
Para a Doutrina Espírita, o conhecimento de Maximiliano pela medicina, tão precocemente, demonstra que ele o adquiriu em vidas pregressas e, nesta vida, aflorou na infância. É a única explicação, muito lógica, aliás, para esse fato.
Percebe-se que Maximiliano dá pouca importância para sua memória precoce, pois revela ser um espírito desprendido. Ele afirmou que, quando crescer, quer ser médico, para diminuir as dores das pessoas.
Descrição: http://i.esmas.com/image/0/000/004/864/nino3_NT_.jpg
Ao analisarmos um caso como este, percebe-se que a memória humana é extra cerebral; portanto independe completamente do cérebro.
Descrição: http://actualidad.terra.es/addon/img/actualidad/99fde7maxip.jpg
Quando perece o corpo físico, o Espírito, que é imortal, liberta-se, íntegro, levando portando, suas aquisições intelectuais e morais.

O Poder

Não deplores a função ou tarefa humilde, na qual te encontras edificando o futuro.
Todas as realizações, por mais grandiosas, não dispensam a participação das aparentes e pequenas contribuições que, em última análise, são-lhes fundamentais.
A melhor engrenagem pode desarticular-se quando alui modesto parafuso.
A maquinaria mais sofisticada estrutura-se com o mineral transformado, antes sem outra serventia.
Todas as tarefas que promovem a vida são de relevante significado.
Não é a função, que dignifica o homem, mas este quem a enobrece.
Realiza, desse modo, o teu dever, com a consciência de que ele é de suma importância no concerto geral da vida.
*
O fastígio e o poder são compromissos graves para aqueles que os detêm.
O fastígio facilmente leva à queda, sob as circunstâncias em que se apresenta e as facilidades de que se reveste.
O poder, quase sempre, leva à corrupção, face à transitória posição de que se faz cercar, com perigos e gravames.
O verdadeiro poder é o do amor, aquele que vem de Deus, que faz homens fortes em qualquer função, e dignos, íntegros, em todas as atividades.
Faze atua parte com o poder do amor e segue, feliz, até a tua vitória final.

Divaldo P. Franco. Da obra: Episódios Diários. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Deus espera que ames

Adicionar legenda
Se tiveres um pouco de atenção e olhares em torno de ti, encontrarás os variados meneios da vida que se reportam ao amor do nosso Criador, em cada movimento.
Em toda parte a natureza está sempre oferecendo um pouco mais à vida, em homenagem ao Grande Pai, enquanto também se enriquece de luz, de cores e de harmonia.
Se de longe vires um canteiro, onde medram flores, alcançarás somente os matizes multicores das corolas; porém, se te aproximares sentirás que, quando beijadas pela brisa, as flores exalam benfazejos perfumes, dando um pouco mais em prol da beleza terrena.
Se olhares a exuberante queda d’água, que despenca da montanha, observarás apenas um soberbo espetáculo de força e vigor. Mas, se te acercares dessa catadupa, verás um risonho arco-íris que se desenha sobre as gotículas suspensas no ar, a fim de que, ao refletir os matizes da luz, possa ofertar um pouco mais em favor da beleza planetária.
Contemplas, ao longe, a neve que inspira friagem e desolação, na branca vastidão do inverno. Se, entanto, chegares mais perto, identificarás as miríades de cristais de formosíssimas estruturas, a refletir os raios do Sol, como pequenos brilhantes pingentes em qualquer lugar, no anseio de cooperar um pouco mais no embelezamento do mundo.
Se olhares o velho tronco de árvore, apodrecido pelo tempo e abandonado, terás à frente dos olhos tão-só um poleiro inusitado de múltiplas aves, no rumo de uma antiga cerca. Entretanto, se te avizinhares, registrarás o ninho aconchegante e bem arranjado que se abriga no oco vetusto, onde os filhotes piam, ensaiando o canto do futuro, a fim de tornar mais belas as paisagens terrestres.
Se, por entre ameaçadores zumbidos, o enxame de abelhas que se agita te deixa temeroso, não consegues te dar conta do que ocorre, de fato. Ao te aproximares, entretanto, encontrarás uma sociedade organizada, com os trabalhos devidamente distribuídos, sob instintivas ordem e obediência, gerando variados produtos para si mesma e para quem mais os possa utilizar, homens e animais, de modo a dar um pouco mais para a formosura do mundo.
Enfim, para onde te voltes, perceberás sempre o louvor que se estabelece em a natureza, dirigido ao nosso Deus.
Procura viver de tal maneira, coração amigo, que possas desmentir qualquer um que, por ver-te de longe, admita que és tão-só alguém à cata de atender às necessidades imediatas, que ajudam a manter o corpo, a espécie e as propriedades que adquiriste com esforços. Todavia, se já sabes o porquê de estares no mundo e o que te trouxe ao corpo carnal, novamente, saberás expressar, para quem se aproxime de ti, o anjo potencializado que és, por enquanto engolfado em árduas lutas humanas por brilhar e crescer, no rumo do Criador, de modo a dar beleza à vida que pulsa na Terra.
Deus quer que ames e que ofereças um pouco mais de ti à vida. Não te afugentes desse destino; não te negues a atender a esse anseio do nosso Pai Celestial. Vem, levanta-te e move-te para incrementar uma vida nova para ti; busca aprender sempre mais, a fim de mais te libertares das cadeias da ignorância; trabalha com afinco e alegria, para te tornares afinado instrumento nas mãos do Senhor, e ama, por fim, porque foste feito a Sua semelhança, e porque não deves mais deter o voo que te fará alcançar o teu próprio destino, destino de felicidade cujos fundamentos se acham no pulsar das constelações.
Mensagem psicografada por Raul Teixeira
Espírito: Rosângela C. Lima

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

SANTOS E ANJOS, SEGUNDO O ESPIRITISMO

Os espíritas crêem nos santos e nos anjos.


Apenas não crêem no sentido determinado pela sistemática das igrejas. Os anjos, para nós são os espíritos altamente evoluídos.


Por exemplo, na Doutrina Espírita, diz o seguinte: existe o reino animal na terra. E após o reino animal, existe o reino hominal, que é a humanidade. Mas além do reino hominal, além da humanidade existe o reino angélico, o reino da angelitude.


Todo homem, toda criatura humana, candidata-se na sua evolução terrena, às condições angélicas. O anjo é o espírito purificado. Não é um anjo de asas, de túnica comprida e assim por diante, nem de estrela na testa.

É simplesmente um espírito evoluído, um espírito que atingiu a superação das condições materiais do homem terreno. Atingindo essa superação, ele se libertou de uma porção de inferioridades e se transformou naquilo que as religiões chamam de anjos.

Por isso, o apostolo Paulo, dizia que os anjos são mensageiros, simplesmente mensageiros e que toda lei nos foi dada pelos anjos.
A lei de Moisés, por exemplo, ditada a Moisés no monte Sinai, foi ditada por espíritos. As religiões interpretam que foi ditada pelo próprio Deus.
É preciso lembrar que na antiguidade os espíritos eram considerados Deuses. Então quando um espírito se manifestava para orientação de um povo, ele dizia “eu sou o vosso Deus”. Na verdade, ele queria dizer “eu sou o vosso espírito guia”.
E o apostolo Paulo reconhece isso nas suas epístolas e nos ensina isso. Então compreendemos bem a nossa posição no tocante a anjos.

Quanto aos santos, para nós existem os santos. São os homens que se sacrificaram pelas suas atitudes, pelo seu comportamento na vida terrena, pela dignidade de sua vida moral, pela sua espiritualidade e pelos altos serviços prestados a humanidade.
Consideramos esses espíritos, como espíritos bons, espíritos benevolentes, espíritos que assistem as criaturas humanas no plano espiritual em que se encontram, atendendo aos nossos rogos, as nossas súplicas, as nossas preces.

Só que não seguimos, naturalmente a sistemática das igrejas. Muitos espíritos que não são considerados santos pelas igrejas, nós consideramos santos, porque eles nos têm demonstrado através de sua atividade, pela mediunidade, que realmente possuem poderes de uma verdadeira santificação.
São dotados de uma grande bondade, de grande clemência, de misericórdia para com as criaturas humanas e estão prontos a doação de si mesmo para servir a todos. Então são santos, também. Acreditamos nos santos”.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

O Evangelho Segundo o Espiritismo

O óbolo da viúva
Estando Jesus sentado defronte do gazofilácio, a observar de que modo o povo lançava ali o dinheiro, viu que muitas pessoas ricas o deitavam em abundância. — Nisso, veio também uma pobre que apenas deitou duas pequenas moedas do valor de dez centavos cada uma. — Chamando então seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deu muito mais do que todos os que antes puseram suas dádivas no gazofilácio; — por isso que todos os outros deram do que lhes abunda, ao passo que ela deu do que lhe faz falta, deu mesmo tudo o que tinha para seu sustento. (SÃO MARCOS, cap. XII, vv. 41 a 44. — S. LUCAS, cap. XXI, vv. 1 a 4.)
Multa gente deplora não poder fazer todo o bem que desejara, por falta de recursos suficientes, e, se desejam possuir riquezas, é, dizem, para lhes dar boa aplicação. É sem dúvida louvável a intenção e pode até nalguns ser sincera. Dar-se-á, contudo, seja completamente desinteressada em todos? Não haverá quem, desejando fazer bem aos outros, muito estimaria poder começar por fazê-lo a si próprio, por proporcionar a si mesmo alguns gozos mais, por usufruir de um pouco do supérfluo que lhe falta, pronto a dar aos pobres o resto? Esta segunda intenção, que esses tais porventura dissimulam aos seus próprios olhos, mas que se lhes depararia no fundo dos seus corações, se eles os perscrutassem, anula o mérito do intento, visto que, com a verdadeira caridade, o homem pensa nos outros antes de pensar em si. O ponto sublimado da caridade, nesse caso, estaria em procurar ele no seu trabalho, pelo emprego de suas forças, de sua inteligência, de seus talentos, os recursos de que carece para realizar seus generosos propósitos. Haveria nisso o sacrifício que mais agrada ao Senhor. Infelizmente, a maioria vive a sonhar com os meios de mais facilmente se enriquecer de súbito e sem esforço, correndo atrás de quimeras, quais a descoberta de tesouros, de uma favorável ensancha aleatória, do recebimento de inesperadas heranças, etc. Que dizer dos que esperam encontrar nos Espíritos auxiliares que os secundem na consecução de tais objetivos? Certamente não conhecem, nem compreendem a sagrada finalidade do Espiritismo e, ainda menos, a missão dos Espíritos a quem Deus permite se comuniquem com os homens. Daí vem o serem punidos pelas decepções. (O Livro dos Médiuns, 2ª Parte, nº 294 e nº 295.)
Aqueles cuja intenção está isenta de qualquer idéia pessoal, devem consolar-se da impossibilidade em que se vêem de fazer todo o bem que desejariam, lembrando-se de que o óbolo do pobre, do que dá privando-se do necessário, pesa mais na balança de Deus do que o ouro do rico que dá sem se privar de coisa alguma. Grande seria realmente a satisfação do primeiro, se pudesse socorrer, em larga escala, a indigência; mas, se essa satisfação lhe é negada, submeta-se e se limite a fazer o que possa. Aliás, será só com o dinheiro que se podem secar lágrimas e dever-se-á ficar inativo, desde que se não tenha dinheiro? Todo aquele que sinceramente deseja ser útil a seus irmãos, mil ocasiões encontrará de realizar o seu desejo. Procure-as e elas se lhe depararão; se não for de um modo, será de outro, porque ninguém há que, no pleno gozo de suas faculdades, não possa prestar um serviço qualquer, prodigalizar um consolo, minorar um sofrimento físico ou moral, fazer um esforço útil. Não dispõem todos, à falta de dinheiro, do seu trabalho, do seu tempo, do seu repouso, para de tudo isso dar uma parte ao próximo? Também aí está a dádiva do pobre, o óbolo da viúva.
 
(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIII, itens 5 e 6.)